Diocese de Caruaru alerta para existência de “falsos padres”


Os acusados utilizavam vestes eclesiásticas e celebravam sacramentos. (Imagem: Divulgação/Diocese)

A Diocese de Caruaru divulgou, nesta semana, um comunicado alertando para a existência de “falsos padres”, atuando nos municípios de Gravatá e Camocim de São Félix. De acordo com o texto, a instituição recebeu denúncias de cristãos que estariam utilizando vestes eclesiásticas e litúrgicas e afirmando que celebram missas e outros sacramentos.

Os acusados são José Lucas Carlos Pinheiro, Jonathan Alifer Albuquerque da Silva e Carlos, cujo sobrenome não foi divulgado na publicação. Na nota, a Diocese esclarece que reconhece e respeita o direito à liberdade religiosa, mas aponta que o ato viola o Artigo 7º do Acordo Brasil, que “garante a proteção dos lugares de culto da Igreja e de suas liturgias, símbolos, imagens e objetos cultuais, contra toda formação de violação, desrespeito e uso ilegítimo”.

O texto, assinado pelo Bispo Dom Bernardino Marchió, afirma que, se desejarem, os acusados poderão ser readmitidos na Igreja Católica, após um período de “renovação espiritual”.