Polícia Federal realiza operação no Palácio do Campo das Princesas


A ação visa desarticular um esquema de desvio de recursos públicos. (Imagem: Reprodução)

Foi deflagrada, na manhã desta quinta-feira (9), a ‘Operação Torrentes’, executada pela Polícia Federal com apoio da Controladoria-Geral da União e da Procuradoria da República de Pernambuco. A ação visa desarticular um esquema de desvio de recursos públicos, fraudes em licitações e corrupção de servidores públicos vinculados à Secretaria da Casa Militar do Estado de Pernambuco.

A investigação teve início em 2016, a partir de um relatório elaborado pela Controladoria-Geral da União com relação aos gastos efetuados pela Casa Militar durante a Operação Reconstrução, quanto a União realizou um repasse de R$ 450 milhões para assistência às vítimas das enchentes que aconteceram em junho de 2010.

De acordo com o relatório, foi identificado que funcionários da Secretaria da Casa Militar direcionavam os contratos a grupos empresariais em troca de contrapartidas financeiras. Além disso, foram verificados indícios de superfaturamentos e inexecução de contratos.

Outro ponto investigado pela operação são os indícios de superfaturamento em contratos firmados na Operação Prontidão, firmada após as enchentes de maio deste ano. De acordo com a Polícia Federal, os prejuízos aos cofres públicos ainda estão sendo contabilizados, já que a Casa Militar ànão havia encaminhado os comprovantes de despesas.

Ao todo, 260 policiais federais de dez estados estão cumprindo 71 mandados judiciais, sendo 36 de busca e apreensão, 15 de prisão temporária e 20 de condução coercitiva em Pernambuco e no Pará. A assessoria de comunicação da Polícia Federal afirmou que os nomes dos envolvidos não serão divulgados.

Os presos serão encaminhados para a sede da PF, onde serão investigados e encaminhados para um exame de corpo de delito.