[OPINIÃO] A ciência venceu


Corações foram partidos, orações elevadas, medo e espanto passaram a ser companheiros cotidianos de pessoas que possuem empatia pela vida humana, e a morte veio sem velório, em massa e de repente. O velório virou um luxo insustentável, e todos se perguntavam silenciosamente quem será a próxima vítima. Esse cenário de caos e dor foi experimentado amargamente no ano de 2020, e se estende a 2021. A vacina e as nossas vidas normais se transformaram em imagens longínquas. Mas, na semana em que faltou oxigênio no pulmão do mundo, a notícia da liberação das vacinas, pela ANVISA, nos deixa em estado de esperança.

A criação da vacina, no século XVIII, representa um marco civilizatório e uma superação das lutas do Homo Sapiens contra doenças, que eram tratadas por meios de charlatanismos e outros, não considerados pela ciência, como orações, sacrifícios, sangrias, ventosas, metais tóxicos, esmagamento de uma galinha contra uma parte do corpo infeccionada, além de outros tratamentos.

As vacinas sempre foram e serão os mecanismos mais eficazes e seguros, para salvar e prolongar a vida. Desse modo, a população e a sociedade devem ter um sentimento de GRATIDÃO aos que dedicaram tempo e inteligência na busca de um imunizante contra a COVID-19.

Em 12 de abril de 1955, um grupo de cientistas anunciou que a vacina contra a pólio, do médico, virologista e epidemiologista norte-americano Jonas Salk, era segura e poderia ser aplicada, segundo relato histórico no livro – O Novo Iluminismo. Em defesa da razão, da ciência e do humanismo, do autor Steven Pinker, “as pessoas observaram momentos de silêncio, tocaram sinos, buzinaram, acionaram sirenes de fábrica, dispararam salvas de tiros […] tiraram o resto do dia de folga, fecharam as escolas ou convocaram fervilhantes reuniões nos prédios escolares, fizeram brindes, abraçaram as crianças, foram à igreja, sorriram para estranhos e perdoaram inimigos”.

No Brasil de hoje, as vacinas Coronavac e a da Universidade de Oxford, que foram aprovadas por humanidade pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), por uma equipe de técnicos com alto valor científico, não foram recebidas por alguns com o ânimo efusivo da vacina contra a pólio.

Em um país dominado pela guerra ideológica e por teorias da conspiração, ganha mais relevância a ideologia do que a ciência. Para alguns, não importa se a vacina foi aprovada por um órgão respeitado do governo, mas a narrativa ideológica. O Brasil entra de vez em um estilo de política paranoico, fazendo referência ao livro clássico do historiador americano Richard Hofstadter (O estilo paranoico na política americana de 1964).

As autoridades sanitárias têm, hoje, dois desafios hercúleos, o de vacinar com eficiência o maior número de pessoas e o de convencer o maior número de pessoas de que a vacina é a melhor alternativa na luta contra a COVID-19.

Cabe a cada um de nós, ao nosso redor, promover a vacinação das pessoas contra teorias conspiratórias, raciocínio anedótico, demagogia emocional, ideologias negacionistas e dizer bem alto que a ignorância mata, e que a ciência venceu.

Por João Américo – 18/01/2021